se classicaGrupo reunido em frente a Catedral da Sé ainda em obras em 1929  

 

A história de nosso grupo está intimamente ligada aos primórdios do movimento Escoteiro no Brasil.

A primeira iniciativa de escotismo no país ocorreu por intermédio de oficiais da Marinha que após um contato com o movimento durante uma viagem à Inglaterra trouxeram ao Brasil uniformes e fundaram oficialmente em 17 de Abril de 1910 o “Centro de Boy Scouts do Brasil” na cidade do Rio de Janeiro.

Em São Paulo surge em 1914 a primeira entidade escoteira de caráter nacional: a “Associação Brasileira de Escotismo (A.B.E), tendo como mentores Mário Sérgio Cardim, Júlio Mesquita e Olavo Bilac. Foi Mario Cardim que selecionou, dentre várias opções, a denominação “Escoteiro” e o lema “Sempre Alerta” traduzidos dos termos originais em inglês “Boy Scout” e “Be Prepared” respectivamente. Sob o comando de Mario Cardim a A.B.E se desenvolveu de forma rápida,  irradiando para outros estados o movimento escoteiro.

Apesar do sucesso, a iniciativa da A.B.E ainda estava muito distante dos princípios escoteiros concebidos por Lord Baden-Powell. Suas características eram fortemente ligadas ao militarismo e subvencionadas pelo estado. Consequentemente a fraternidade escoteira mundial ainda não reconhecia a iniciativa da A.B.E e tantas outras como escotismo.

Em 1917 é fundada no Rio de Janeiro a “Associação de Escoteiros Católicos do Brasil” na paróquia de São João Baptista da Lagoa por iniciativa do monsenhor André Arcoverde, vigário daquela paróquia, Cônego Dr. Carlos Manso e os Srs. Edmundo E. Lynch, Rodolfo Malempré e o Dr. João Evangelista Peixoto Fortuna. Essa Associação foi a primeira iniciativa propriamente dita que seguia os princípios puros do escotismo, tanto que em 1921 foi reconhecida internacionalmente pela Organização Internacional Escoteira como a primeira e única entidade escoteira do país na época.

No início da década de1920 Rodolfo Malempré muda-se para São Paulo onde liderou a organização das diversas iniciativas de escotismo em São Paulo com a fundação da "Boy Scouts Paulistas" em 23 de setembro de 1923 com a ajuda do monsenhor Francisco Bastos, vigário da Igreja da Consolação , numa dependência da mesma. Começa aqui a primeira iniciativa do verdadeiro escotismo em São Paulo, ligada a uma Associação reconhecida internacionalmente e que seguia todos os princípios concebidos por Lord Baden-Powell.

Na Revolução de 1924, fornece alimentação e alojamento à população flagelada pelos bombardeios, na sede da Consolação.

Nos anos seguintes graças ao grande empenho de Rodolfo Malempré fundam-se novos núcleos, na maioria ligados à paroquias:

Consolação / São João Batista/ Santa Generosa (depois Guarany) / S. Antonio do Pari (depois Goytacazes)/ Saúde/ Freguesia do Ó (depois Tupy) / Santo Agostinho (depois Aymorés) / Nossa Senhora Auxiliadora (depois Guaycurus) / Campinas / Santos / Descalvado/ Carajás / Tamoyos.

Durante a década de 1930 sob a presidência do Sr. Armando Lorena a Associação instala sua sede central na Rua São Bento, em um imóvel cedido pelo Conde de Lara.

Em 1932 durante Revolução Constitucionalista os Pioneiros (Rover-Scouts) atuam nas frentes de batalha e hospitais de sangue, em colaboração com a Cruz Vermelha. A bravura, heroísmo e eficiência dos mesmos merecem os mais altos elogios da sociedade, inclusive internacionais e do próprio fundador, Lord Baden-Powell.

Em 1940 o Estado Novo cria a “Juventude Brasileira (de cunho fascista) e incorpora todas as organizações juvenis por decreto, inclusive o escotismo. A “Boy Scouts Paulistas”, então “Associação de Escoteiros São Paulo” devido a proibição de nomes estrangeiros se nega a participar de atividades com cunho político. A associação é fechada pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) -  Seu chefe geral é detido e interrogado – Não fica preso por interferência de altas personalidades e dão-lhe liberdade condicional.

Durante os dois anos seguintes a Associação funciona na clandestinidade, os mais jovens foram dispensados, mantendo-se apenas os Pioneiros (Rovers-Scouts) e chefes que continuam a se reunir e acampar , usando os uniformes apenas no campo.

Em 1942 a Associação é oficialmente reaberta a tem enorme influência regional, nacional e internacionalmente. Nessa época se destacam pelo apoio em diversas ações como:

  • Organização do 1º Curso da Insígnia da Madeira com a participação dos maiores dirigentes nacionais e de países vizinhos
  • Na implantação do esquema Internacional de adestramento de “Giwell Park”
  • Na formação da equipe nacional de adestramento os primeiros quatro diretores de cursos da Insígnia da Madeiram nomeados pelo “Bureau Internacional de Escotismo” e por Giwell, Centro Mundial de Adestramento são do Grupo
  • Chefes do grupo participam de cursos na Inglaterra e Estados Unidos
  • Um de nosso escotistas dirige cursos da Insígnia da Madeira e outros em diversos países da América Latina, inclusive na Jamaica e Estados Unidos

Por volta de 1946 ,ainda por exigência do governo federal as unidades escoteiras passaram a se denominar Grupos Escoteiros  ao invés de Tribos.  

Em 1954 em comemoração ao 4º Centenário da Fundação da Cidade de São Paulo é realizado “Acampamento Internacional de Patrulhas”.  Evento idealizado, planejado e dirigido por escotistas da São Paulo, sendo elogiado até por órgãos internacionais.

Em 1957 é aprovado por unanimidade o projeto de um de nossos escotistas chamado de "Adestramento" na III Conferência Escoteira Interamericana, em Cuba. Este projeto serviu para consolidar o Esquema Internacional de Adestramento de Chefes de Gilwell, na América Latina.

No período de 1950 a 1961, escotistas da São Paulo, comissários nacionais, exercem forte influência na adoção do P.O.R. (Policy, OrganizationandRules), substituindo a colcha de retalhos que era o regulamento existente.  Uma das consequências desta mudança foi a desagregação da Associação de Escoteiros São Paulo, os Grupos remanescentes se integram aos respectivos Distritos, e o Grupo Guarany, o mais antigo, fica com o nome e a incumbência de zelar por suas tradições passando a se chamar "1º Grupo Escoteiro São Paulo".

Em 1977 o Grupo transfere sua sede da Rua Borges Lagoa na Vila Clementino para um terreno no Brooklin Novo, espaço utilizado até os dias de hoje.

 

timeline

Linha do tempo do Grupo Escoteiro São Paulo

Gostou? Então compartilhe!